Menos coutadas melhores pinhais: império, inundações, fisiocracia, guerra e especialização das matas reais em Portugal (1777-1824)

Cristina Joanaz de Melo

Resumen


Este trabalho trata o tema da regeneração florestal nas matas reais em Portugal, entre os séculos XVIII e XIX, numa geografia e numa cronologia onde se assume, até ao presente que, houve destruição gradual e compulsiva destes recursos. Observam-se contextos de abate, regeneração e manutenção de florestas na longa duração demonstrando que não se verificou apenas destruição sistemática da floresta mas processos de desgaste e recuperação da mancha florestal em intensidades variáveis entre 1706 e 1824. Salientam-se exercícios de manutenção da floresta praticados anteriormente ao nascimento da silvicultura Oitocentista.


Palabras clave


Renovação florestal; manutenção florestal; arboricultura; podas; fisiocracia

Texto completo:

PDF (PORTUGUÉS)

Referencias


Amélia Polónia, A expansão Ultramarina Numa Perspectiva Local: o Porto de Vila do Conde no Século XVI, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2007.

Andrée CORVOL LHomme Aux Bois. Histoire des Relations de lHomme et de la Forêt XVIIe-XXe Siècle, Paris, LHarmatan, 1997

Ângela DOMINGUES, Museus, Coleccionismo e Viagens Científicas em Portugal de Finais de Setecentos, no prelo, Asclepio. Revista de Historia de la Medicina y de la Ciencia do CSIC.

Antonio Manuel do Rego ABRANCHES Administração dos Pinhaes Nacionais da Azambuja e Virtudes, Officina que foi de Lino da Silva Godinho, 1822

Domingos VANDELLI, Aritmética Política e Finanças 1770-1804, Lisboa, Banco de Portugal, 1994

Beñat Eguiluz Miranda Iberian Bizcayan Shipbuilding and the Transitional Network, 1550-1650, en Árvores, Barcos e Homens na Península Ibérica (Séculos XVI XVIII, Lisboa, IAP/Instituto de História Contemporânea, 2017, pp.55-62.

Carlos Manuel FAÍSCA Criando uma desvantagem? A regulamentação contratual das práticas suberícolas em Espanha e Portugal (1852-1914) en Revista Portuguesa de História 46, pp. 413-431;

Christian PFISTER Strategian Zur Bewaltigung von Naturkatastrophen seit 1500, Am Tag Danach Zur Bewaltigung von NaturKatastrophen in der Schweiz 1500-2000, Bern, Haupt, pp. 209-255

Conceição ANDRADE MARTINS, A agricultura in História Económica de Portugal 1700-2000, vol. II, (org. Pedro LAÍNS e Álvaro FERREIRA DA SILVA), Lisboa, ICS, 2005, pp. 221-258

Cristina JOANAZ de MELO, Analysis of the Royal Preserves in Portugal. Issues of Privilege, Power, Management and Conflicts, Sheffield, Wildtrack, 2015.

Cristina JOANAZ de MELO, Arborizar Contra Cheias Tempestades e Marés (1834 1886). Políticas de águas e de Florestas em Portugal, Zaragoça, IAP/IHC/Portico, 2017.

Cristina JOANAZ de MELO Coutadas Reais Entre 1777-1824. Privilégio, Poder, Gestão e Conflito, Lisboa, Montepio - Geral, 2000; Arquivo da Montaria Mor do Reino, MMR-2, Livros de registo de correspondência 1721-1777.

Cristina JOANAZ DE MELO The Royal Preserves Portugal in the Modern Age: A Proto- Laboratory of Forestry? en Árvores, Barcos e Homens na Península Ibérica (Séculos XVI XVIII, Lisboa, IAP/Instituto de História Contemporânea, 2017, pp 117-124.

Diogo RAMADA CURTO, A cultura Política em Portugal (1578-1642). Comportamentos, Ritos e Negócios, Tese de Doutoramento em Sociologia Histórica apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 1994.

Diogo RAMADA CURTO Conclusões: Nobreza Manuelina e seus descendentes en D. Álvaro da Costa e a Sua Descendência, Séculos XV-XVII: Poder, Arte e Devoção, (Coord. Maria Lurdes Rosa), Lisboa, CIEM Instituto de Estudos Medievais, CHAM Centro de Estudos de Além-Mar, Caminhos Romanos, 2013, pp. 343-359.

E. CASTRO CALDAS, A Agricultura na História de Portugal, Lisboa, E.P.N., 1998.

Felix LABRADOR ARROYO Protection and Production: Soto de Roma in the Seventeenth Century en Árvores, Barcos e Homens na Península Ibérica (Séculos XVI XVIII, Lisboa, IAP/Instituto de História Contemporânea, 2017, pp1-12;

Fernando ROBOREDO e João PAIS, Evolution of forest cover in Portugal: A review of the 12th 20th centuries en Journal of Forestry Research, 25(2), 2014, pp. 249?256.

Hélder Adegar FONSECA, A Ocupação da Terra en História Económica de Portugal, vol. II, (Org. Pedro LAÍNS e Álvaro FERREIRA DA SILVA), Lisboa, ICS, 2005, pp.83-118;

Jill BUTLER, Looking Back to the Future: Ancient, Working Poolards and Europe´s Silvo-Pastoral Systemas en Cultural Severance and the Environment, Spinger, 2007, Dordrecht, Heidelberg, New York, London, 2013, pp 371-376.

Joachim RADKAU, Wood. A History, Cambridge, Polity Press, 2012;

João CORDEIRO PEREIRA, A estrutura Social e o Seu Devir en Idem, Lisboa, Editorial Presença, 1998, pp. 277-336; José Pedro PAIVA Um corpo entre outros corpos sociais: o clero en Revista de História das Ideias, vol. 33, 2012, pp165-182

Jorge PEDREIRA e Fernando DORES COSTA D. João VI, 6ª ed, Lisboa, Circulo de Leitores, 2014[2006].

José Adelino MALTEZ, O Estado e as Instituições in Nova História de Portugal. Portugal do Renascimento à Crise Dinástica, (Direcção de Joel Serrão e A. H. De Oliveira Marques, Coord. do volume, João José ALVES DIAS), Lisboa, Editorial Presença, 1998, pp. 337-412.

José Bonifácio de ANDRADE E SILVA, Memória Sobre a Necessidade de e Utilidade de Plantio de Novos Bosques em Portugal, Particularmente de Pinhais nos Areais da Beira-Mar. Seu Método de sementeira, Custeamento e Administração, Lisboa, 1815.

Koldo TRÁPAGA MONCHET, El estudio de los bosques reales de Portugal a través de la legislación forestal en las dinastías Avis, Habsburgo y Braganza (c. 1435-1650), Philostrato, 1 (Junio 2017), pp. 5-27

Koldo TRAPAGA MONCHET, Who Protected Portuguese Forests? Safeguarding and Preserving Royal and Private Forest in Portugal (1605-1640) en Árvores, Barcos e Homens na Península Ibérica (Séculos XVI XVIII, Lisboa, IAP/Instituto de História Contemporânea, 2017, pp 117-124, pp 135-149.

Luís de Oliveira RAMOS, D. Maria I, Lisboa, Círculo de Leitores, 2015 [2007].

Luís SANCHÉZ, La Génesis Histórica de los Montes Catalogados de Utilidad Pública (1855-1901), Madrid, Ministério de Médio Ambiente, Direccion General de Conservación de la Naturaleza, 2001;

Marcus HALL, Earth Repair: George Perkins Marsh and the Restoration Tradition, University of Virginia Press, Verginia, University of Virginia Press, 2005

Maria Carlos RADICH e A. Alves MONTEIRO,Dois Séculos de Floresta em Portugal, Lisboa, edições CELPA, 2000

Mauro AGNOLETTI, Le sistemazione idraulico-forestali dei bacini dallunità dItalia alla metà del xx secolo en Diboscamento montano e politiche territoriali. alpi e appennini dal settecento al duemila,(Coord. António LAZARINI e Franco ANGELI9, Milano, pp. 2000, 389-416

Nicole DEVY-VARETTA A Floresta na Construção das Paisagens Rurais en Geografia de Portugal, Vol. I, Lisboa, Círculo de Leitores, 2006, pp.115-136.

Pedro CARDIM, Centralização política e estado na Recente Historiografia sobre o Portugal de Antigo regime en Nação e Defesa, 87, Outono 98, 2ª série, Lisboa, Instituto de Defesa nacional, 1998, pp 129-158.

Pedro CARDIM, Religião e ordem social em Torno dos Fundamentos Católicos do Sistema Político do Antigo regime, en Separata da Revista de História das Ideias, vol. 22, Coimbra, Faculdade de Letras, 2001, pp 133-174.

Pedro LAÍNS e Paulo SILVEIRA E SOUSA, Estatística e Produção Agrícola em Portugal, 1848-1914 en Análise Social, 149, 1998, pp. 935-968.

Rosa VARELA GOMES e Mário VARELA GOMES (Coord.) Portugal, the Management of Iberian Forest Resources in the Early Modern Shipbuilding: History and Archaeology, Lisboa, ForSEADiscovery Project (PITN-GA-2013-607545) /Instituto de Arqueologia e Paleociências- IAP, 2015;

Rosa VARELA GOMES e Koldo TRÁPAGA MONCHET (Coord.), Árvores, Barcos e Homens na Península Ibérica (Séculos XVI XVIII, Lisboa, IAP/Instituto de História Contemporânea-IHC, 2017.

Rodrigo de SOUSA COUTINHO, Discurso académico que na Augusta presença do Muito Alto e Poderoso Príncipe Regente nosso Senhor Recitou D. Rodrigo de Sousa Coutinho, Conselheiros e Ministro Secretário de Estado dos Negócios da Fazenda, e presidente da Sociedade Real Marítima, Militar e Geográfica, em 29 de Março de 1803, en Textos Políticos, Económicos e Financeiros (1783-1811), Lisboa, Banco de Portugal,1993[1803], pp206-2012.

Rodrigo de SOUSA COUTINHO, Discurso em que se prova a necessidade e utilidade dos estudos e conhecimentos hidrodinâmicos em Portugal (1787) en Textos Políticos, Económicos e Financeiros (1783-1811), Tomo I, Lisboa, Banco de Portugal, 1993, pp.174- 191, pp188-191.

Rodrigo de SOUSA COUTINHO, Discurso para se ler na sessão da Sociedade Marítima que S. A. R. o príncipe regente nosso senhor se digna honrar com a sua real presença (19 de Janeiro de 1802), en Textos Políticos, Económicos e Financeiros (1783-1811), Tomo II, Lisboa, Banco de Portugal, 1993, pp.197 201.

Rodrigo de SOUSA COUTINHO Memória sobre o melhoramento dos Domínios de sua majestade na américa (1797 ou 1798) en Textos Políticos, Económicos e Financeiros (1783-1811), Tomo II, Lisboa, Banco de Portugal, , 1993, pp47-66, pp.53-54.

Rodrigo de SOUSA COUTINHO Observações e Reflexões Sobre um Trabalho de Medidas de Terreno e Produções do Ribatejo (Lisboa 11 de Julho de 1793) in Textos Políticos, Económicos e Financeiros (1783-1811), Tomo I, Banco de Portugal, Lisboa, 1993, 152-168.




Revista semestral presente en:
Tiempos Modernos: Revista Electrónica de Historia Moderna
ISSN: 1699-7778