Comentarios del lector/a

dislexia

por marcelo costa (2018-02-26)


Características das crianças disléxicos

 

Falta de atenção. Devido ao esforço intelectual que têm que fazer para superar suas dificuldades de percepção específicas, tendem a apresentar um alto grau de fatigabilidade.

 Por esta causa aprendizagem de leitura e escrita são inertes, sem interesse, não encontrando neles nenhum atrativo que chame sua atenção.

Saiba mais sobre dislexia tem cura

Desinteresse pelo estudo. A falta de atenção, aliada a um ambiente familiar e escolar pouco estimulantes, fazem com que se desinteresse pelas tarefas escolares. Assim, seu desempenho e qualificações escolares são baixos.

 

Inadaptação pessoal. A criança disléxicos, por não orientar-se no espaço e no tempo, está sem pontos de referência ou de apoio, apresentando, em consequência, a insegurança e a falta de estabilidade em suas reações.

Como mecanismo de compensação, tem uma excessiva confiança em si mesmo e até de vaidade, que o leva a defender suas opiniões guardião.

 

Manifestações escolares

 

A dislexia se manifesta de uma forma mais concreta no âmbito escolar, as matérias básicas de leitura e escrita.

De acordo com a idade da criança, a dislexia apresenta certas características que podem ser agrupadas em três níveis de evolução.

De modo que, mesmo se a criança disléxicos supere as dificuldades de um nível, encontra-se com as próprias do seguinte.

Desta forma, a reeducação fará com que estas apareçam cada vez mais atenuadas ou até mesmo chegam a desaparecer com a reabilitação. Em seguida realizamos uma análise por faixas de idade.

 

Crianças de idades compreendidas entre os 4 e os 6 anos

 

Esta fase coincide com a fase pré-escolar. As crianças estão iniciando-se na escrita e na leitura, mas como não ocorreu a aquisição total de sogarem, doenças que apresentem serão uma predisposição para a dislexia e se tornarão patentes no próximo nível ou em idades mais avançadas.

 

As alterações se manifestam na área da linguagem, dentro destas, podemos destacar:

 

Supressão de fonemas, por exemplo "baço" por "braço", ou "e cão" por "o perro".

Confusão de fonemas, por exemplo "bile" "diga".

Pobreza de vocabulário e de expressão juntamente com uma compreensão verbal baixa.

Investimentos, que podem ser fonemas dentro de uma sílaba, ou de sílabas dentro de uma palavra. Por exemplo: "pardo" por "prado e "cacheta" por "jaqueta".

Má estruturação do conhecimento do esquema corporal.

Dificuldade em distinguir cores, tamanhos, formas...

Constrangimento motriz com pouca habilidade para os exercícios manuais e para fazer a escritura.

Crianças de idades compreendidas entre os 6 e os 9 anos

 

Neste período, a leitura e a escrita devem ser adquiridas pela criança com um determinado domínio e agilidade.

 É nesta fase onde a criança disléxicos está com mais dificuldades e coloca mais de manifesto a sua doença.

 

As manifestações mais comuns neste período são:

 

Confusões sobre tudo aquelas letras que têm uma semelhança Em sua forma e em seu som, por exemplo: "d" para "b"; "p" por "q"; "b" por "g"; "u" por "n"; "g" por "p"; "d" por "p".

Dificuldade para aprender novas palavras.

Investimentos na mudança de ordem das letras, por exemplo, "amam" por "mama"; "barco" por "braço"; "drala" por "ladra".

Omissão ou supressão de letras, por exemplo "árvo" por "árvore".

Substituição de uma palavra por outra que começa com a mesma sílaba ou tem som parecido, por exemplo: "lagarto" por "letardo".

Falta de ritmo na leitura, quebras de linha ou repetição da mesma.

Na escrita suas alterações principais são em letras soltas.

Em uma fase mais avançada, quando escreve começa a fazê-lo pela direita e termina a palavra ou frase à esquerda, e só é legível quando nós lemos a página com um espelho, com a consequente alteração na colocação das linhas.

Mistura de letras maiúsculas e minúsculas.

Crianças maiores de 9 anos

 

Na linguagem têm dificuldades para construir frases corretamente, e a conjugar os tempos dos verbos.

A compreensão e a expressão são baixas para a sua capacidade mental.

A leitura costuma ser mecânica, o que lhes há de ter pouco gosto pela leitura, devido ao esforço da criança em se concentrar em decifrar palavras, sem atender ao significado das mesmas.

Apresentam dificuldades para lidar com o dicionário.

Na escritura, é frequente a pressão muscular e fadiga muscular. A caligrafia é irregular e pouco elaborada.

A recuperação da criança disléxicos

 

O diagnóstico e a prevenção deve começar o mais cedo possível, a partir do momento em que se observem as primeiras anomalias. Deste modo evitam-se muitos problemas de inadaptação escolar e pessoal.

Embora a intervenção se faça atempada mente, não se eliminam por completo as alterações, mas que, na maioria dos casos, você tem que ir saindo, ao passo que as dificuldades que se vão apresentando, por isso é aconselhável continuar com um tratamento de manutenção.

 

O plano de recuperação em idade escolar está centrado na área da linguagem e na imaturidade perceptiva e manual. As atividades abrangem os seguintes aspectos:

Ainda tem dúvida sobre dislexia veja mais em o que e dislexia?

Exercícios de atividade mental: atenção e memória, organizar e classificar os elementos, observar e distinguir os objetos um do outro.

Exercícios sensível e manuais: reconhecer e agrupar objetos de acordo com a cor, de acordo com o tamanho e a forma.